Menção a um sargento anônimo

27

O texto que segue surge a partir da publicação da agregação de um distinto graduado, que por isso deixa de seguir a escala operacional em que estava há 10 anos na unidade, cumprindo o ritual de passagem para o merecido descanso na reserva remunerada.

As aparências enganam, de quem nem sempre se espera o melhor dos desempenhos pode partir uma grande surpresa agradável. Assim ocorreu com determinado graduado em certa unidade, o recém chegado não apostaria muitas fichas na sua figura cansada, mas o tempo é remédio para abrir cortinas e mostrar a verdade.

Líder de uma guarnição “fechada”, composta pelos mesmos integrantes há 7 anos, este graduado demonstrou entrosamento ímpar com seus integrantes, motivando através do exemplo, levando a posição de destaque uma equipe que esbanjava bravura sem violência, sempre comprometida com a disciplina. 

Foram pouco mais de 30 anos de serviço, sendo a última década inteiramente dedicada à execução de diligências em referenciada unidade especializada, sem queda na qualidade, apesar da avançada idade, mais de 50 anos na etapa final. O desfecho não poderia ser mais glorioso, na penúltima jornada empreendeu ação que resultou em auto de resistência onde tombou um marginal com extensa ficha criminal, e na última jornada foi responsável pela prisão de traficante e apreensão de quantia expressiva de droga.

Se for contabilizar o número de feitos elogiosos, como a prisão de um PM fardado de outro estado que traficava drogas em seu veículo valendo-se indevidamente da credibilidade do uniforme, haveria teor para editar um livro ou até enciclopédia, transcrevendo relatos nobres em cada grau hierárquico alcançado durante a carreira.

Tem-se como bastante o escrito acima, o mínimo a ser feito como recompensa moral a quem se portou de modo exemplar no exercício da missão. Vai fazer falta, parabéns!

Abordagem Policial