Governo se antecipa a ato por salário e marca reunião para sexta, 26

30

governo agendou para sexta-feira, dia 26, reuniãoentidades de classe que representam as categorias de base da Polícia Civil e da Brigada Militar. A Ugeirm mantém audiência com o chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, a partir de 14h30, no Palácio Piratini. Não foi antecipada a proposta que o governo pretende oferecer às categorias. No dia 12 de agosto, o governo pediu prazo de 20 dias para formular proposta de reajuste salarial. O sindicato defende índice emergencial de 25% e a definição de política de recomposição de vencimentos que corrija, nos próximos anos, as perdas acumuladas pelos policiais. Os policiais gaúchos, especialmente os das categorias de base, têm em média os menores vencimentos do Brasil. Em atividade conjunta, a Ugeirm, a Abamf (Associação Beneficente Antônio Mendes Filho) e a ASSTBM (Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar) realizam manifestação por melhores salários no sábado, dia 27, a partir de 9 horas da manhã. A concentração será no portão principal da Expointer

Policiais vão à Expointer em defesa de reajuste

Policiais civis e militares realizam manifestação por reajuste salarial no próximo sábado, dia 27 de agosto, no portão principal da Expointer, a partir de 9 horas da manhã. A atividade é uma realização conjunta da Ugeirm, Abamf e ASSTBM, que representam categorias da base da Polícia Civil e da Brigada Militar.  O vice-presidente da Ugeirm, Fábio Castro, convoca todos os policiais da região metropolitana para se somar à manifestação. “É um ato pacífico e legítimo das categorias. Nosso objetivo é dar visibilidade  aos baixíssimos vencimentos que temos. A sociedade gaúcha precisa saber que tem os policiais com os piores salários do Brasil”.  As entidades representativas aprovaram pauta conjunta de atividades por reajuste salarial em junho deste ano. Desde então, cobram proposta concreta do governo. Defendem índice emergencial de 25% e o estabelecimento de política salarial que contemple, nos próximos anos, perdas acumuladas pelas categorias.  Na próxima semana, esgota-se o prazo pedido pelo Palácio Piratini. A Casa Civil realizou, no dia 12, audiências com representantes de policiais civis e militares separadamente. Em ambos os casos, o governo pediu 20 dias para apresentar proposta.

Fonte: Ugeirm Sindicato