BM inicia trabalho de pacificação

42

Ação em Sapucaia do Sul já mostra os primeiros resultados positivos, com ênfase no combate ao tráfico de drogas

Na semana em que o comando da Brigada Militar anunciou como uma das prioridades o policiamento comunitário, o exemplo de Sapucaia do Sul, na região Metropolitana, ganha destaque. Em junho deste ano, foi implantado este tipo de ação no bairro Multiforja, uma área invadida, de aproximadamente 600 metros quadrados, na periferia da cidade. Um motor-home da BM ficou estacionado, havendo policiamento ostensivo 24 horas por dia. A operação durou cerca de um mês e meio e o resultado foi a “pacificação” do local. Hoje, este tipo de policiamento foi estendido aos bairros Nova Sapucaia e Pasqualini, próximos ao Multiforja. Outro exemplo é o projeto de Canoas.

O comandante do pelotão de motos do 33 BPM, 1 sargento Geverson Ferrari, lembra que no início houve resistência ao projeto por parte de algumas pessoas. Em especial de grupos ligados ao tráfico de drogas, que estavam instalados na região. Os traficantes, salientou Ferrari, chegaram a escrever com tinta no asfalto das ruas do bairro, frases de protesto, onde pediam a legalização da maconha e criticavam a chegada da BM. Em um primeiro momento, os policiais, em viaturas e motocicletas, foram para o bairro para conhecer a realidade e conversar com os moradores. A intenção, salientou Ferrari, era diagnosticar o real problema daquela comunidade. “Fomos fazendo contato, indo a pé até as residências”, recordou Ferrari. “Mostrando que a nossa intenção era a pacificação do lugar.”

No período em que a BM esteve permanentemente no Multiforja, foi feito um trabalho de prevenção à violência, em especial o combate ao tráfico de entorpecentes, com a abordagem e identificação de usuários e suspeitos. Foram detidos foragidos, além de pessoas que estariam envolvidas com a venda de narcóticos. Este tipo de ação, acabou gerando a indignação de traficantes. No terceiro dia em que a BM estava no bairro, recordou o 1 sargento, e os policiais militares faziam contato com a comunidade, quando uma viatura do batalhão foi apedrejada. “Mas, não ocorreram confrontos mais graves”, afirmou. “Com o tempo, a comunidade passou a ter confiança no trabalho dos policiais e começaram a denunciar, de forma anônima, criminosos.”

Além do contato direto, foi providenciada a limpeza das vias do bairro, em sua maioria constituída de becos e vielas. Em um trabalho executado com o apoio da prefeitura local. “Nós providenciamos a retirada de automóveis, que tinham sido abandonados ali”, contou o comandante do pelotão de motos. “A maioria dos veículos já estava depredada, sem nenhuma condição de serem utilizadas”.

Uma outra iniciativa, contou Ferrari, foi entrar em contato com a operadora de energia elétrica, que abastece o bairro. Pouco tempo depois, a iluminação pública foi incrementada, com a colocação de mais postes de luz, em pontos, que antes pela escuridão, propiciava a ação de criminosos. Houve uma vistoria geral na rede elétrica da localidade, para a averiguação da existência ou não de “gatos” (instalações de luz ilegais). “Foram encontrados alguns, sendo várias pessoas notificadas por isso”, afirmou o 1 sargento. “Inclusive, alguns comerciantes se utilizavam deste expediente”, revelou Ferrari.

O Corpo de Bombeiros de Sapucaia também participou da ação, visitando as residências, em um trabalho preventivo. A intenção foi levar à comunidade atitudes que podem ser tomadas para evitar incêndios, como por exemplo, cuidado com a fiação e condições de eletrodomésticos.

Correio do Povo