À espera da proposta

27

Está marcada para hoje a reunião na qual o governo apresentará sua proposta para o reajuste dos brigadianos, uma das mais delicadas operações na relação com os servidores públicos. Caberá ao chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, e ao comandante-geral da Brigada Militar, coronel Sérgio Abreu, apresentarem a oferta do Piratini, sabendo que qualquer valor compatível com a situação das finanças públicas será considerado pouco.

O governo negocia com os policiais militares em um clima belicoso. Apesar de ter dito que só negociaria quando cessassem os protestos violentos, o Piratini vai apresentar uma proposta sem ter conseguido a trégua prometida. Vai apresentar porque o governo se convenceu de que as entidades que representam os servidores não estão envolvidas no bloqueio de ruas e estradas com a queima de pneus. Os atos seriam manifestações isoladas de grupos descontentes com o governo.

A primeira dificuldade é oferecer um valor que faça diferença no contracheque dos soldados, que têm o pior salário entre os policiais militares do Brasil. Se desse os 25% pedidos, Piratini teria de estender esse índice a outras patentes da Brigada, o que é considerado impossível diante da falta de recursos. Como existe no Estado uma espécie de indexação informal dos salários, quando o governo oferece determinado índice a uma categoria, tem de pensar no que isso significará nas outras.

O mais provável é que seja oferecido um abono para elevar a remuneração mínima dos soldados da BM, já que um dos principais motivos de revolta é o corte da Bolsa-Formação, que o governo federal oferecia e assim aumentava a renda dos PMs. Ainda que satisfaça os beneficiados, essa proposta enfrenta resistência na Polícia Civil, onde o inspetor não aceita que o soldado ganhe o mesmo salário, já que dos brigadianos não é exigido curso superior para ingresso na carreira.

ALIÁS

Se o governo oferecer apenas um reajuste de 12% em duas vezes, como vinha se especulando, a proposta será rejeitada pelos brigadianos.

PÁGINA 10 | ROSANE DE OLIVEIRA

ZERO HORA

Radio Gaucha