Nota distorcida da PC do PR culpa o Sargento e atribui a morte do refém a ação PC Gaúcha

66

  A ASSTBM NÃO ACREDITA
NA VERSÃO DADA PELA PC DO PARANÁ
 Confira no link abaixo  declaração do Vice Presidente ASSTBM, Olivo Moura:  VER NOTÍCIA
NOTA POLÍCIA CIVIL DO PARANÁ
O Departamento da Polícia Civil do Paraná lamenta o fato ocorrido no município de Gravataí, que resultou na morte de um sargento da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, na madrugada desta quarta-feira (21).A fatalidade envolveu uma equipe do Grupo Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial) que foi deslocada até o Rio Grande do Sul para dar prosseguimento a uma investigação sigilosa sobre uma quadrilha acusada de praticar crime de extorsão mediante sequestro.Levantamentos do setor de inteligência da Polícia Civil do Paraná indicavam que a quadrilha mantinha como refém um empresário paranaense na cidade de Gravataí.Ao chegar no município, por volta da meia noite, os policiais passaram a ser seguidos por um homem em uma motocicleta, que abordou a viatura num semáforo. Houve troca de tiros e o homem, identificado posteriormente como sargento da Brigada Militar, acabou atingido.A Polícia Civil ressalta que agentes paranaenses envolvidos no caso mantiveram a postura mais adequada possível. Além de solicitar socorro à vítima, aguardaram a chegada da Polícia Militar ao local, compareceram à delegacia, entregaram as armas e o veículo para a perícia. Após serem ouvidos, foram liberados pelo delegado responsável pelo caso.

Os policiais retornaram para Curitiba, se apresentaram à Corregedoria-Geral da Polícia Civil do Paraná e estão à disposição da Justiça.

A Polícia Civil do Paraná informa, ainda, que iria informar ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) do Rio Grande do Sul, quanto à presença dos policiais paranaenses no Estado, na manhã desta quarta-feira.

A Polícia Civil do Paraná, esclarece, por fim, que não teve participação direta na ação que resultou na morte de um dos reféns, uma vez que apenas as forças gaúchas de segurança foram autorizadas a participar da ação.

Eram mantidos reféns os empresários paranaenses Osmar José Finkler e Lírio Poerjio, ambos do município de Quatro Pontes, no oeste do Paraná. A ação dos policiais gaúchos resultou na prisão de três sequestradores e na morte de Poerjio, de 50 anos. Finkler também foi baleado e socorrido.


Assessoria de Imprensa da Polícia Civil