Ferimento em ação: Governador Tarso encaminha Projeto de lei Complementar para corrigir injustiças

113

BMTendo em vista que os integrantes das polícias ao serem feridos em ação sofrem perdas de algumas vantagens salariais tipo gratificação por substituição temporária, horas extras e diárias de alimentação, o Poder Executivo do Estado do Rio Grande do Sul protocolou na Assembleia Legislativa um Projeto de lei Complementar que corrige esse tipo de injustiças.

Leia abaixo a íntegra do PLC:

Projeto de Lei Complementar nº 35 /2013

Poder Executivo

Institui Abono Especial para os servidores ativos militares e para os servidores ativos civis integrantes dos quadros próprios da Polícia Civil, do Instituto-Geral de Perícias e da Superintendência dos Serviços Penitenciários, no período de licença para tratamento de saúde própria em decorrência de ferimento em ação.

Art. 1º Fica instituído, a contar de 1º de dezembro de 2012, Abono Especial mensal, sobre o qual não incidirão quaisquer vantagens, a ser atribuído aos servidores ativos militares e aos servidores ativos civis integrantes dos quadros próprios da Polícia Civil, do Instituto-Geral de Perícias e da Superintendência dos Serviços Penitenciários, quando em licença para tratamento de saúde própria em decorrência de ferimento
em ação, no valor correspondente ao somatório das seguintes parcelas:

I – média dos valores recebidos pelo cumprimento de serviço extraordinário, nos três meses anteriores ao do fato que resultou na concessão da licença referida no caput deste artigo;

II – média dos valores recebidos a título de diária de alimentação, nos três meses anteriores ao do fato que resultou na concessão da licença referida no caput deste artigo;

III – o valor correspondente à substituição temporária, nos casos previstos em lei, para os servidores ativos que a estiverem desempenhando no momento do fato que resultou na concessão da licença referida no caput deste artigo.

Art. 2º O Abono Especial previsto no art. 1º desta Lei Complementar será devido a partir da data do fato que ensejou a concessão da licença para tratamento de saúde própria em decorrência de ferimento em ação até o término da licença, limitada ao período máximo de um ano ininterrupto, prorrogável por igual período mediante indicação da Perícia Médica do Estado.

Parágrafo único. A comprovação dos fatos que justifiquem a licença de que trata esta Lei Complementar serão apurados independentemente de requerimento por parte do servidor interessado.

Art. 3º Para os efeitos desta Lei Complementar, considera-se ferimento em ação a lesão sofrida em decorrência de participação em operação de natureza policial ou relativa às atividades fins dos órgãos integrantes da Segurança Pública do Estado.

Art. 4º O Abono Especial de que trata o art. 1º desta Lei Complementar não será incorporável e nem constituirá base de cálculo para fins de apuração da contribuição mensal para o Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Rio Grande do Sul – RPPS/RS, para o Fundo Previdenciário dos Servidores Militares – FUNDOPREV/MILITAR, para o Fundo Previdenciário – FUNDOPREV e para o Fundo de Assistência à Saúde – FAS/RS, bem como não será base de cálculo para a gratificação natalina.

Art. 5º As despesas decorrentes da execução desta Lei Complementar correrão à conta de dotações orçamentárias próprias.

Art. 6º Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação, retroagindo seus efeitos a contar de 1º de dezembro de 2012.

Fonte: ALERGS

Postado por Comunicação DEE ASSTBM