Ao completarmos três meses no Comando-Geral na Brigada Militar, fazemos uma reflexão sobre esse período. Com três eixos estruturais — gestão qualificada, educação e correição policial —, buscamos atingir a Polícia da sociedade democrática, que visa garantir os direitos fundamentais das pessoas e possibilita compreender a complexidade dos serviços da segurança pública. Essa política institucional do governo do Estado se reflete por meio das ações nos Territórios de Paz e com as Patrulhas Maria da Penha, referências nacionais.

Em abril, entregamos à sociedade gaúcha aproximadamente 2,5 mil soldados para o policiamento ostensivo e atividades de bombeiros. Até o final de 2014, ingressarão mais PMs, totalizando 5 mil soldados neste governo. O reconhecimento da importante atuação dos servidores da BM e a sua valorização elevam a autoestima da tropa, resultando em maior eficiência no trabalho de garantir a segurança das pessoas. Assim, foi sancionada a lei complementar que corrige antiga distorção, evitando que o policial ferido em ação deixe de receber algumas

vantagens salariais, por meio de abono especial que será pago durante a licença para tratamento de saúde. Também estamos propondo a readaptação dos servidores com deficiência para atuarem em funções adequadas

às suas condições. É importante informar que há uma inversão na curva de saída de brigadianos, devido à elevação do valor da Gratificação de Permanência no Serviço Ativo. Entre 800 e mil servidores iam para a reserva anualmente. Hoje esse número está em torno de 600. Foram adquiridas inúmeras viaturas e coletes balísticos, proporcionando melhores condições de trabalho e proteção à tropa. Após 17 anos, estamos adquirindo armas de grosso calibre para fazer frente às quadrilhas.

Isso tudo, aliado ao emprego de novas tecnologias, videomonitoramento, georreferenciamento, uso de GPS e comunicação eficaz, busca melhorar as ações da BM. Estamos debatendo com prefeituras a criação de sistema

de controle regionalizado, espelhando as imagens de câmeras nos Comandos Regionais de Polícia Ostensiva. Teremos mais qualidade nas ações, pois uma câmera equivale ao trabalho de quatro policiais nas ruas.

Queremos, cada vez mais, criar condições para uma cultura de paz na resolução de conflitos, empregando a não violência, garantindo às pessoas o direito à cidadania e à vida, com policiais qualificados e prestação aprimorada de serviços.

 

CORONEL FÁBIO DUARTE FERNANDES

comandante-geral da Brigada Militar

Postado por Comunicação DEE ASSTBM

Coronel Fábio Fernandes assumiu o comando da Brigada Militar no dia 1 de fevereiro | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Deixe um comentário