Policiais e bombeiros querem ‘parar o Brasil’ nos dias 20 e 21 de agosto.

61

palácio

Policiais militares e bombeiros prometem uma grande manifestação em Brasília (DF) nos dias 20 e 21 de agosto. Nesta semana, representantes dos servidores militares estiveram na capital federal para tentar, mais uma vez, forçar a votação da PEC 300, que estabelece um piso salarial nacional para policiais e bombeiros. No entanto, alguns líderes de partidos se recusaram a assinar o requerimento que pedia a colocação da proposta em pauta, caso do deputado José Guimarães (CE), líder do PT na Câmara.

“O descaso do Governo Federal é tanto que mais uma vez o colégio de líderes rejeitou que fosse colocada em pauta a PEC 300. Está mais do que claro que o Governo Federal não se importa nem um pouco com nossos policiais militares e bombeiros”, disse Edmar Soares da Silva, presidente da ACS (Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), que levou uma caravana do Estado até Brasília.
Durante a viagem, os militares se reuniram com os deputados sul-mato-grossenses Fábio Trad e Marçal Filho, ambos do PMDB. O primeiro fez um compromisso, registrado em vídeo, de empenho em prol da PEC 300. Já o segundo protocolou um requerimento na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara para conseguir uma audiência pública que debatesse a proposta, empacada na Câmara desde 2010, quando foi aprovada em primeiro turno.
Ainda de acordo com Edmar, que ainda é diretor jurídico da Anermb (Associação Nacional das Entidades Representativas dos Militares Estaduais do Brasil), caso não ocorra a votação em segundo turno da PEC 300 no mês de agosto, será deliberado aquartelamento geral. “Vamos parar o Brasil. Sem PEC 300, sem Copa”, afirmou.
As entidades ainda recomendaram a todos os servidores da segurança pública do Brasil que liguem para o telefone 0800-619619, da Câmara Federal, identifiquem-se e cobrem a aprovação da proposta.
Foto : Paulo Silva – ABAMF