Salva-vidas participa da última Operação Golfinho após 31 anos de serviço à beira-mar

57

Roberto Barrin decidiu ser salva-vidas em 1983, aos 18 anos

 

Da guarita 133 da praia de Imbé, no Litoral Norte, o sargento da Brigada Militar Paulo Roberto Barrin observa o mar pelo 31º ano consecutivo. Salva-vidas há mais tempo em atividade atualmente, agora ele já pensa em deixar as areias e ficar apenas no policiamento. 

— Em 30 anos já deu para salvar muita gente, nunca perdi ninguém no mar — orgulha-se o salva-vidas, relembrando resgates difíceis que marcaram sua carreira. 

Natural de Imbé, resolveu ser salva-vidas civil em 1983, quando tinha 18 anos. Já tinha trabalhado como pescador, por isso, sabia respeitar o mar. Em 1986, quando o serviço de salva-vidas civis foi suspenso, ele resolveu entrar para a Brigada Militar. 

Hoje, quando não está na guarita, atua no policiamento na cidade de São Leopoldo. Mesmo longe do mar, não deixa o preparo físico desandar para manter o desempenho nos salvamentos. Ele demonstra a disposição na prática, saltando no monte de areia e correndo para o mar com os colegas, para resgatar um jovem que estava indo fundo demais. 

— O principal erro é não conhecer o mar, pensar que está entrando em uma piscina e acabar caindo em buracos — alerta. 

Neste sábado, Dia do Salva-Vidas, ocorreu a formatura de 57 salva-vidas civis, que se somam a 940 bombeiros e policiais militares que atuarão como salva-vidas durante o veraneio de 2014 no Litoral Norte.

Fonte: Zero Hora

Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Postado por Comunicação DEE ASSTBM

Paulo Roberto Barrin é salva-vidas em Imbé Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS
Paulo Roberto Barrin é salva-vidas em Imbé
Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS