Servidores da segurança saem insatisfeitos de reunião com governo

42
Foto: Mateus Bruxel  / Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Policiais civis pretendem paralisar atividades nesta terça-feira (28) em protesto

Entidades que representam os servidores da segurança pública temem que o Governo do Estado suspenda o reajuste para a categoria concedido na gestão do então governador Tarso Genro. Os índices foram parcelados até 2018 para integrantes da Polícia Civil, Brigada Militar, Susepe e Instituto-Geral de Perícias. Nesta manhã, durante apresentação pelo governador José Ivo Sartori da situação das finanças públicas a diversas categorias, os servidores da segurança cobraram garantia de que o compromisso será honrado e saíram sem resposta.

Está prevista para amanhã mobilização de policiais civis. Nota conjunta de entidades que representam servidores da Brigada Militar afirma que não negociarão o adiamento do pagamento dos índices salariais contidos em lei. O impacto desses reajustes até 2019 será de R$ 3,9 bilhões. Para o presidente da UGEIRM Sindicato, Isac Ortiz, o governador relatou o que todos já sabiam e não apresentou soluções.

“O governo apresentou uma série de argumentos de que o Estado está quebrado, que não tem dinheiro. E ele foca muito no reajuste da segurança pública dizendo que com isso o Estado vai gastar quase R$ 3,9 bilhões. Pra nós isso causa um pouco de indignação”, desabafa Ortiz.

Já o presidente do Sindicato dos Técnicos Científicos do Estado, Joanes Machado da Rosa, considerou a iniciativa interessante.

“Avaliamos como positiva essa iniciativa do Governo até porque pelo que me consta nunca ocorreu uma reunião em que o Governo chamasse os líderes sindicais para apresentar as contas públicas”, elogia o dirigente sindical.

O Governo do Estado não descarta adiar o reajuste salarial aos servidores da segurança pública.

Nota de entidades da segurança:

Frente aos rumores do não pagamento dos aumentos salariais previstos em lei, por parte do Governo Sartori, a Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar-ASSTBM, Associação Beneficente Antônio Mendes Filho-ABAMF, Associação dos Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul-ABERGS, Associação dos Oficiais Subalternos da Brigada Militar-AOfSBM e Federação das Associações Independentes- FERPMBM vem a público dizer:
1 – Que não negociarão o adiamento do pagamento dos índices salariais contidos em lei;
2 – Que é inadmissível um governo que iniciou o mandato concedendo aumento aos deputados, secretários de estado e a si, querer tirar dos servidores de nível médio os míseros índices de aumento concedido;
3 – A ASSTBM, ABAMF, ABERGS, AOfSBM e FERPMBM convocam desde já todos os servidores de nível médio para iniciarem um processo de mobilização e, sendo necessário vamos repetir e ampliar o movimento de 1997;
4 – Se o Governo Sartori insistir em descumprir a Lei, todos nós estamos autorizados a descumpri-la e vamos para a greve;
5 – Chega de pagarmos pela incompetência de governantes, que durante a eleição, pela sede do poder, tem solução para tudo e, após, se mostram verdadeiros traidores;
6 – O governador Sartori assumiu compromisso público durante a campanha pelo cumprimento da lei salarial, portanto não aceitamos nada diferente disto
. Assim, a ASSTBM, ABAMF, ABERGS, AOfSBM e FERPMBM conclamam a todos os servidores a multiplicarem esta nota e juntos vamos mostrar nossa força e que não estamos para brincadeira!
Porto Alegre 27 de abril de 2015
ASSTBM, ABAMF,
ABERGS, AOfSBM FERPMBM

Impacto dos reajustes na Segurança Pública:

2015 – R$ 409 milhões
2016 – R$ 883,9 milhões
2017 – R$ 1,058 bilhão
2018 – R$ 1,059 bilhão
2019 – R$ 519 milhões
Total: R$ 3,92 bilhões

RADIO GAÚCHA