RS tem dois policiais por turno em 60% dos municípios, diz Famurs

43

4171335_x360Em 142 cidades, do total de 238 pesquisadas, havia seis PMs por dia.
Destas, 25 contam com apenas dois policiais militares no efetivo total.

Pelo menos 142 municípios gaúchos contam com apenas dois policiais militares por turno, o equivalente a seis por dia, conforme a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs). O número equivale a 60% das 238 cidades pesquisadas pela entidade, como mostra reportagem do RBS Notícias (confira no vídeo).

De acordo com o coordenador-geral da Famurs, Irapuã Jorge Teixeira, a situação é ainda pior em outras cidades. “Destes 238, 25 municípios tinham até dois policiais no seu efetivo total. [A situação] preocupa porque a criminalidade tem aumentado, principalmente no interior do estado. O crime tem migrado dos grandes centros para os municípios do interior”, afirma.

O posto da Brigada Militar em Pejuçara, no Noroeste do estado, ficou fechado por falta de policiais para cumprir a escala, já que há apenas três na cidade. Um aviso na porta nesta segunda-feira (11) informava os telefones do Batalhão de Cruz Alta, distante 30 quilômetros.

“Se for um caso de emergência, quando chega aqui, já ocorreu o fato”, diz o prefeito Eduardo Buzzatti.

O gestor ambiental Dimas Mastella afirma que a situação causa insegurança na cidade. “Nós aqui, mesmo sendo a terra da paz, enfrentamos um problema muito sério com a falta de policiamento”, afirmou.

Em Tio Hugo, no Norte do estado, são quatro policiais para uma população de 2,7 mil habitantes. Os mesmos PMs, no entanto, têm que ajudar no patrulhamento em Ibirapuitã, a 23 km de distancia. “Estamos largados aqui. Está difícil de conviver aqui desse jeito”, afirma o empresário Renato Gerevini.

O subcomandante-geral da Brigada Militar, Paulo Moacyr Stocker, garante que este efetivo é suficiente pra combater a criminalidade em cidades de ate 2 mil habitantes. Segundo ele, o latrocínio, assalto seguido de morte, diminuiu 46 % este ano.

“Dois PMs é o padrão normal do policiamento ostensivo motorizado. É o efetivo mínimo que se coloca em atividade de atendimento à ocorrência. Dois homens motorizados atendem qualquer tipo de ocorrência dentro do seu município”, argumenta o oficial.

Já no Centro de Porto Alegre, é possível ver um ônibus da BM estacionado durante o dia inteiro, e policiais prontos para atender a uma ocorrência. Ainda assim, segundo a capitã Marta Richter, os criminosos não se intimidam.

“Em media a gente prende o mesmo indivíduo três vezes na mesma semana por roubo a pedestre. Só que lamentavelmente esses indivíduos são presos e, em questão de dois, três dias estão nas ruas de novo”, afirma.

Porto Alegre tem uma equipe para cada 15 mil habitantes. No estado, a Brigada Militar conta com 24 mil homens. Porém, do ano passado para cá, perdeu 1,4 mil policiais que se aposentaram. “Falta segurança”, diz a dona de casa Neusa Morais. “Tinha de ter mais policiamento”, afirma.

ASSISTA AQUI

Do G1 RS