Servidores fazem manifestação nesta terça-feira, em Pelotas

43
"A mobilização de Porto Alegre será a maior concentração de servidores dos últimos 30 anos", afirma o presidente da Fassergs Foto: MATEUS BRUXEL / Agencia RBS
“A mobilização de Porto Alegre será a maior concentração de servidores dos últimos 30 anos”, afirma o presidente da Fassergs
Foto: MATEUS BRUXEL / Agencia RBS

Caravana percorrerá cidades do interior, chegando à Capital nos dias que antecedem a assembleia geral prevista para 18 de agosto

Os servidores públicos estaduais dão início nesta terça-feira a uma agenda de mobilizações contra o parcelamento dos salários por parte do governo. Marcada para as 14h, no Calçadão de Pelotas, no sul do Estado, a primeira manifestação reúne funcionários ligados a diversos setores do serviço público.

Nas próximas semanas, a caravana dos servidores percorrerá várias cidades do interior, chegando à Capital nos dias que antecedem a assembleia geral prevista para 18 de agosto, no Largo Glênio Peres.

– A mobilização de Porto Alegre será a maior concentração de servidores dos últimos 30 anos – promete o presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Estado (Fessergs), Sérgio Arnoud, que participará do ato desta terça em Pelotas.

Depois de Pelotas, a caravana seguirá para Santa Maria, na região central, onde os servidores farão mobilização na quarta-feira. Na quinta, dia 6, será a vez de Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai. Outros três atos estão previstos para a próxima semana – terça-feira, dia 11, em Caxias do Sul, quarta-feira, dia 12, em Passo Fundo e quinta-feira, dia 13, em Ijuí.

Segundo o presidente da Fessergs, além do parcelamento dos salários, os trabalhadores estão descontentes com os rumos da gestão do governador José Ivo Sartori, que congelou o orçamento do Estado para o ano que vem, o que pode comprometer a qualidade dos serviços oferecidos à população:

– A administração pública do Rio Grande do Sul está à deriva. A entrevista do governador ontem (segunda-feira) foi extremamente frustrante. Ele simplesmente não disse nada – criticou Arnoud.

*Zero Hora