Justiça do Trabalho proíbe bancos de abrirem no RS e sugere que Estado chame Força Nacional

44

Banrisul2-960x600Segundo o SindBancários, casos de violência contra agências em todo o Estado, em agosto, bateram recorde mensal em 10 anos

Em decisão publicada na noite desta terça-feira, o desembargador federal do Trabalho do Tribunal de Justiça do Trabalho da 4ª Região (TRT4), Marcelo José Ferlin D’Ambroso, concedeu liminar à Fetrafi-RS e ao Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (Sindbancários) proibindo agências bancárias de todo o Rio Grande do Sul de abrirem, por falta de policiamento ostensivo, a partir desta quarta-feira. O magistrado também mandou oficiar o governador José Ivo Sartori e o Ministério da Justiça para que avaliem a possibilidade de pedir a utilização da Força Nacional de Segurança para o policiamento ostensivo.

A decisão acolheu tese de mandado de segurança do SindBancários e da Fetrafi de que os cortes de salários dos policiais militares e o consequente aquartelamento anunciado pelas entidades representativas dos brigadianos, em vigor desde essa manhã, fazem com que clientes e bancários fiquem vulneráveis à ação de assaltantes. Um dos fatores que fundamentou a decisão foi o recorde de ataques a bancos em agosto. Nessa segunda-feira, o levantamento do SindBancários apurou a ocorrência de 34 ataques a bancos em todo o Estado, no mês passado – a maior marca mensal em dez anos. O volume supera, inclusive, os 29 ataques registrados em setembro de 2006. Hoje, uma agência do Bradesco teve um caixa eletrônico atacado em Araricá, no Vale do Sinos.

O secretário-geral do Sindicato, Luciano Fetzner, explica que desde as primeiras horas da manhã o Sindicato vai monitorar o movimento de policiais militares pelas ruas do centro da cidade. Já a Fetrafi-RS orienta os Sindicatos do Interior a registrarem provas sobre ausência de policiamento e levantar agências que possam estar descumprindo a ordem judicial.

Fonte:Rádio Guaíba