Presença da Força Nacional será temporária, diz Chefe da Casa Civil

511

thumb (1)Márcio Biolchi afirmou que tropa federal vai ser mantida até que novos PMs sejam formados

O Chefe da Casa Civil, Márcio Biolchi, esclareceu a vinda da Força Nacional ao Rio Grande do Sul após a confirmação anunciada no final da manhã desta sexta-feira pelo governador José Ivo Sartori em Brasília. De acordo com ele, a presença da tropa federal é temporária no RS e será mantida até que os novos policiais militares sejam formados e estejam nas ruas no início do próximo ano.

“A Força Nacional vem para cumprir um trabalho de transitoriedade para que tenham continuidade as ações já tomadas pelo governo e outras que possam vir”, enfatizou. “Não poderíamos chamar a Força Nacional isoladamente, mas sim conectá-la com aquilo que será mantido pelo próprio Estado”, complementou.

Caso o efetivo da Força Nacional seja destinado à guarda externa no sistema prisional gaúcho, a estimativa é de que em torno de 400 brigadianos sejam liberados para atuarem no policiamento ostensivo. “Esse potencial de efetivo é uma resposta rápida”, considerou.

Márcio Biolchi recordou que as ações realizadas na atual política de segurança pública resultaram em um aumento de 10% na população carcerária gaúcha, sendo acrescidos 5,8 mil presos em relação ao ano passado. “O resultado na criminalidade, porém, não é proporcional ao número de prisões. A simples prisão não tem sido suficiente. Essas ações podem contribuir, mas isoladamente não vão trazer o resultado que todos queremos”, declarou.

“Isso mostra a complexidade do problema da segurança pública”, acrescentou, defendendo como exemplo mudanças na legislação. Ele destacou também a importância do envolvimento e articulação com Ministério Público e Poder Judiciário. “O criminoso não pode ser visto como vítima desse processo, mas sim quem ele atingiu”, concluiu.

Correio do Povo