Estado anuncia dois centros de triagem para presos

114

thumbCezar Schirmer informou que grupo de trabalho vai apresentar em 30 dias soluções para falta de vagas

Com informações do repórter Eduardo Paganella Correio do Povo e Rádio Guaíba

A falta de vagas em presídios e a permanência de presos em delegacias e viaturas da Brigada Militar (BM) motivou o anúncio da construção de dois centros de triagem dentro de seis meses no Rio Grande do Sul. A medida foi divulgada nesta quarta-feira pelo secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, durante uma coletiva de imprensa referente à operação Avante. De acordo com Schirmer, as duas casas devem ter 350 vagas e ficarão em Charqueadas e Porto Alegre.

“A casa de triagem será usada após a prisão do suspeito, cuja situação será analisada. Será um espaço em que o preso ficará até saber qual será o destino. Em Charqueadas, vamos reaproveitar uma estrutura já existente, mas isso tudo leva tempo para ser concluído”, afirmou em entrevista à Rádio Guaíba.

Schirmer disse que a retenção de presos em delegacias e viaturas da BM está errada, mas justificou que a situção só acontece porque o número de presos aumentou. “Isso decorre de uma ação efetiva. Nunca se prendeu tanto no Rio Grande do Sul. Existem 6 mil pessoas a mais no sistema carcerário. E aí estamos no seguinte dilema: ou paramos de prender ou infelizmente vamos enfrentar algumas dificuldades. Isso não se corrige do dia para a noite”, acrescentou.

Conforme Schirmer, o governo criou um grupo de trabalho para buscar, em 30 dias, soluções para o sistema prisional gaúcho. “Estamos vendo alternativas mais rápidas para contornar a situação, mas repito: isso está acontecendo porque estamos prendendo. Quem comete ilegalidade tem que estar preso. Se alguém cometer um crime e ficar solto, vamos chegar à conclusão que o crime compensa. O grupo foi criado para analisar o problema e criar soluções em um prazo curtíssimo”, enfatizou.

Nesta quarta-feira, ao menos cinco presos estão retidos em carros da BM em Porto Alegre. A situção faz com 12 policiais militares fiquem parados vigiando os presos. Os veículos estão estacionados em frente à 2ª Delegacia de Pronto Atendimento de Porto Alegre.