thumbggPacote para “refundar” o Estado

Projeto que será encaminhado para Assembleia terá cerca de 40 medidas

O grupo do governo responsável pela elaboração do pacote de “refundação do Estado” que será encaminhado à Assembleia irá trabalhar durante todo o fim de semana. Apesar do sigilo em torno das cerca de 40 medidas, entre projetos e decretos, algumas começam a ser comentadas com maiores detalhes por interlocutores nos bastidores. A redução no número dos 19 órgãos da administração indireta, por exemplo, pode ser drástica, ficando abaixo de uma dezena. A folha de pagamento dos cerca de 5,4 mil servidores que atuam na administração indireta, e que gira em torno de R$ 30 milhões mensais, deve ser reduzida em pelo menos R$ 10 milhões. Em relação às secretarias, a do Planejamento será absorvida pela Geral de Governo, a do Turismo, Esporte e Lazer deve ser unificada à pasta da Cultura e a de Obras será extinta.

Sobre a antecipação de tributos, o calendário de recolhimento do ICMS da indústria, que ocorre no dia 21 de cada mês, e que gira em torno de R$ 300 milhões, pelos planos do governo, será antecipado para a primeira quinzena. A ação acabaria favorecendo também as prefeituras. O Executivo pedirá ainda o desarquivamento e a aplicação de regime de urgência na análise de projeto que está na Assembleia desde 2015 e que não foi votado devido à polêmica e impasse: o de redução de até 30% em créditos presumidos de ICMS. O crédito presumido é um mecanismo usado para incentivar desenvolvimento econômico de diversas cadeias produtivas.

Dos R$ 8 bilhões anuais que deixam de entrar no caixa gaúcho relativos a desonerações e incentivos fiscais, cerca de R$ 2,5 bilhões são referentes aos créditos presumidos. Segundo integrante do governo, a ampliação da contribuições previdenciárias, mudança nos repasses constitucionais aos demais poderes e extinção das estatais não serão os temas mais polêmicos do pacote, que atingirá também servidores militares.

Datas coincidem

Até ontem à noite era analisada no governo a possibilidade de transferir o anúncio do pacote de terça-feira para quarta-feira ou manter a data original. O motivo da dúvida foi a convocação dos governadores pelo presidente Michel Temer para reunião na terça-feira. José Ivo Sartori deve ir a Brasília. Os deputados da base aliada já receberam convite para a reunião na qual conhecerão o pacote, chamado “Um novo Estado, um novo futuro”. O encontro ocorrerá no Galpão Crioulo do Palácio Piratini, na segunda-feira, a partir das 20h30min.

Integrantes do governo que trabalham na elaboração do pacote ainda não finalizarem os cálculos relativos à indenizações que terão de ser pagas a servidores vinculados a órgãos da administração indireta que serão extintos. Já há estimativa, no entanto, de que passivo gerado pela iniciativa possa ser quitado em cerca de três meses.

CORREIO DO POVO

Deixe um comentário