ZERO HORA: “Ele está complementando renda, diante da situação do Estado é compreensível”, diz comandante sobre PM que dirige Uber

15

Comando vai avaliar atividade extra de sargento que reagiu a assalto na madrugada de domingo 

Por: Schirlei Alves

Um sargento do 19º Batalhão de Polícia Militar (BPM) que estava trabalhando como motorista do Uber nas horas vagas reagiu a um assalto na madrugada deste domingo, em Porto Alegre. Um dos assaltantes foi morto e outro baleado.

O caso ocorreu por volta de 2h na Avenida Alcides Maia, no bairro Sarandi, na zona norte da cidade. Segundo a Brigada Militar, a dupla solicitou uma corrida pelo aplicativo. Ao embarcar no carro, eles disseram que passariam em outro endereço para buscar duas moças.

No meio do caminho, os passageiros anunciaram o assalto e o mandaram descer do veículo — um Focus. Após entregar a chave, já fora do veículo, o policial sacou a arma particular e atirou contra os bandidos. Um dos assaltantes morreu na hora. O comparsa foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e foi internado no Hospital Cristo Redentor com tiro no peito.

— Com o assaltante morto foi encontrado um simulacro — disse o delegado plantonista Daniel Mendelski Ribeiro.

O caso será investigado pela 12ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre.

PM que dirigia Uber reage a assalto, mata criminoso e deixa outro ferido em Porto Alegre

BM apura atividade extra

Sobre o fato de o policial estar trabalhando como motorista de Uber nas horas vagas, o comandante do 19º BPM onde o sargento é lotado, tenente-coronel Marcelo Tadeu Pitta Domingues, explicou que a atividade extra não é proibida desde que esteja dentro da legalidade.

Ele não descarta, porém, a possibilidade de abrir um procedimento interno para avaliar a conduta do policial. Segundo o comandante, os casos de trabalho nas horas vagas são avaliados individualmente.

Além de apurar a legalidade do serviço, a BM verifica se o policial está cumprindo as escalas de serviço corretamente e se não está passando por nenhum tratamento de saúde. O que não pode ocorrer, na avaliação do comandante, é intervenção do serviço extra no bom andamento da atividade policial.

— Se ele cumpre o serviço na Brigada Militar e o que ele está fazendo (nas horas vagas) não é ilegal, ele está complementando a renda dele. Diante da situação do Estado é compreensível — completou o tenente-coronel.