ZERO HORA: “Encontro das folhas vai acontecer entre agosto e setembro”, diz Feltes

10

Secretário da Fazenda avalia que parcelamento da folha dos servidores do Executivo podem virar bola de neve

Por: Juliana Bublitz

Secretário estadual da Fazenda, Giovani Feltes afirma que, se o Estado não receber socorro federal e a economia não voltar a crescer, as dificuldades irão se agravar no segundo semestre, a ponto de transformar o parcelamento da folha dos servidores do Executivo em bola de neve. Confira os principais trechos da entrevista.

O primeiro semestre foi pior do que o governo estadual previa?
Diante da necessidade, sempre ficamos aquém. E a necessidade é gigantesca. Mas, ainda assim, o desempenho do governo nas áreas essenciais foi positivo.

Como positivo, se o rombo aumentou?
Mesmo com todas as dificuldades, mantivemos os percentuais constitucionais aplicados em saúde e educação e, no caso da segurança pública, ampliamos os recursos de 16,9% para 17,8% da receita. Foram R$ 282,6 milhões a mais. Não é só discurso. Fizemos um grande esforço.

O déficit era esperado?
Não era difícil de prever. No primeiro semestre do ano passado, tivemos superávit porque vendemos a folha ao Banrisul. Agora, não temos mais essa opção. As dificuldades vão aparecer de forma mais preocupante.

A oposição questiona os números e diz que há exagero. Qual é a sua posição?
Fico muito magoado com as coisas que ouço. Alguns deputados dizem que estamos mentindo e nos atacam, mas não têm argumentos. Parece que não veem a realidade ou preferem não ver.

Qual é a tendência para o segundo semestre?
Vamos manter os investimentos nas áreas sociais, mas, se não houver alteração do quadro atual, as dificuldades para pagar as contas vão se agravar. É essencial um crescimento mais vigoroso da receita e a adesão ao regime de recuperação fiscal, que nos permitirá deixar de pagar a dívida e buscar novo empréstimo.

O acordo com a União continua sendo a única saída do governo?
Sem o acordo com a União, não vamos conseguir evitar o caos.

Pode acontecer o encontro das folhas de pagamento?
O encontro de folhas vai acontecer entre agosto e setembro. Está cada vez mais próximo.

Rombo das contas públicas do RS volta a crescer

No primeiro semestre, déficit do governo estadual chegou a R$ 628,67 milhões, e a tendência, segundo a Secretaria da Fazenda, é de que atinja a marca de R$ 3,4 bilhões em dezembro, se nada mudar até lá

Por: Juliana Bublitz

Depois de fechar 2016 com rombo menor do que o previsto nas contas públicas, o governo do Rio Grande do Sul encerrou o primeiro semestre de 2017 com motivos para preocupação: em seis meses, o déficit do Estado – gasto acima da arrecadação – voltou a crescer e já passa de meio bilhão de reais.

O resultado é praticamente o oposto do alcançado no mesmo período do ano passado. De janeiro a junho de 2016, houve superávit graças a recursos adicionais obtidos a partir de operações que não irão se repetir – como a venda da folha dos servidores ao Banrisul. O dinheiro extra ficou menos de 24 horas em caixa (foi usado para bancar pendências), mas impactou na contabilidade anual e contribuiu para reduzir o desequilíbrio registrado ao final de 2016 – no valor de R$ 143 milhões negativos. De lá para cá, a tendência se inverteu.

Até junho deste ano, a receita do governo estadual cresceu 2% acima da inflação, em relação a igual período de 2016. Só que isso não foi suficiente para fazer frente às despesas, que tiveram acréscimo real de 7%. O avanço nos gastos, segundo a Secretaria da Fazenda, se deveu a três fatores:

1) o peso crescente dos reajustes salariais (o último foi em maio) na área da segurança pública, aprovados na gestão passada;

2) o custo cada vez mais alto dos servidores inativos, cujo contingente se amplia mês a mês;

3) a elevação dos gastos com custeio, provocada por reajustes em contratos de terceirizados e aumento de verbas para a saúde, que, por lei, não pode receber menos de 12% da receita.

– O déficit não foi surpresa. A gente sabia que não teria mais recursos extraordinários e que as despesas seguiriam crescendo, mesmo com todo o esforço de contenção – diz o secretário-adjunto da Fazenda, Luiz Antonio Bins.

Se nada mudar, segundo Bins, o buraco pode chegar a R$ 3,4 bilhões no fim de 2017. Titular da pasta, Giovani Feltes já admite publicamente a possibilidade de “encontro de folhas” nos próximos dois meses (leia mais na entrevista ao lado).

Caso a perspectiva se confirme, o Estado não conseguirá concluir a quitação dos salários de agosto do Executivo na primeira quinzena de setembro, como tem feito até agora. Por falta de verbas, o pagamento poderá ficar para o fim do período, quando já deveriam estar sendo honrados os contracheques seguintes, de setembro, e outras despesas, como o duodécimo (repasse aos demais poderes). Impasse semelhante vem ocorrendo no Rio de Janeiro desde 2016.

– Se não emendar duas folhas, vai ficar bem perto disso. Hoje, os principais ingressos de ICMS ocorrem nos dias 12 e 27. Se até o dia 12 não der para pagar, no mínimo a conta ficará para o dia 27. Vai embolar tudo – projeta o especialistas em finanças públicas Darcy Carvalho dos Santos.

Na avaliação de Santos, é “inevitável” a piora do quadro nos próximos meses, porque as parcelas da dívida com a União – suspensas entre abril e dezembro de 2016 – voltaram a ser cobradas neste ano. O valor aumenta a cada mês.

Outro complicador é o parcelamento do 13º salário de 2016. Quando o Estado finalmente zerar o passivo, terá mais um 13º pela frente.

– Se não sair o socorro da União, vai piorar muito. Não é exagero – adverte Santos.

A adesão ao regime de recuperação fiscal, considerada vital pelo governador José Ivo Sartori, inclui a suspensão da dívida por três anos e a autorização para a busca de novo empréstimo, o que permitiria ao governo estadual voltar a pagar remunerações em dia. O problema é que a União exige uma série de contrapartidas, a Secretaria do Tesouro Nacional não aceita ceder e há dúvidas em relação aos benefícios.

A líder da bancada do PT na Assembleia, deputada Stela Farias, diz que a oposição nunca negou a existência da crise, classificada como “histórica”, mas questiona os números da Fazenda e critica as saídas propostas pela gestão.

– Forçar um acordo com um governo ilegítimo não faz o menor sentido. Sartori quer isso a qualquer preço porque precisa de caixa para buscar a reeleição em 2018. No que depender de nós, não vai conseguir – afirma Stela.

O governo estadual rebate, argumentando que o acordo com a União terá três anos, prorrogáveis por mais três, e que, portanto, as medidas beneficiarão a atual administração e a próxima, “seja quem for o novo governador”.