Projetos para a divisão do IPE têm envio à Assembleia adiado pelo Piratini

8

Mesmo após evento para apresentar propostas, em agosto, textos ainda estão sendo finalizados 

Divulgado com pompa pelo governo do Estado em 15 de agosto, os projetos para a divisão do Instituto de Previdência do Rio Grande do Sul (Ipergs) – com órgãos específicos para previdência e saúde – ainda não chegaram à Assembleia Legislativa. A ação era esperada para ocorrer no mês passado, mas os textos ainda não estão prontos.

A redação final está sob a responsabilidade da Casa Civil, e a conclusão está prevista para a próxima semana. O trecho que exige maior atenção dos técnicos da pasta é o que trata da adequação do órgão gaúcho à legislação previdenciária federal.

Leia mais:
Piratini anuncia separação de IPE Saúde e Previdência
Divisão do IPE depende da aprovação de cinco projetos pela Assembleia
Servidores fazem protesto contra projetos que dividem o IPE

Se aprovado, o novo órgão — IPE Prev — passará a ser o gestor único do Regime de Próprio de Previdência Social (RPPS), o que possibilitará o recebimento de repasses federais. A reorganização da área vai enquadrar o Rio Grande do Sul nas exigências da União para a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal.

Assim que a análise da Casa Civil for concluída, as propostas serão encaminhadas e irão tramitar em regime de urgência, isto é, passarão a trancar a pauta 30 dias após chegarem ao Parlamento.

Projetos

Projetos de lei complementar — que precisam de, ao menos, 28 votos para aprovação:

– Reestruturação do IPE
– Consolidação do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS): adequação de normas estaduais à lei federal 13.135/2015
– Estabelece regras para o Sistema de Assistência à Saúde

Projetos de lei ordinários — aprovados por maioria simples:

– Criação do IPE Saúde
– Reorganização do quadro de servidores do IPE atual