ZERO HORA: Sargento da BM responde a processo administrativo por ter ofendido Sartori

33
Foram entregues 18 viaturas para as cidades de Alvorada, Cachoeirinha, Esteio, Gravataí, Sapucaia do Sul e Viamão

Policial reclamou por mensagem em grupo de WhatsApp sobre o atraso no pagamento dos servidores

Um sargento da Brigada Militar (BM) de Sapucaia do Sul pode ser punido por ter ofendido o governador José Ivo Sartori em mensagens trocadas por WhatsApp. Após publicação em um grupo do 33º Batalhão de Polícia Militar, o policial reclamou sobre o atraso no pagamento dos servidores. Um processo administrativo disciplinar foi aberto para apurar a situação.

Na quarta-feira (27), foram entregues 18 viaturas em Gravataí para serem distribuídas para as cidades da Região Metropolitana. Uma mensagem sobre o repasse dos veículos foi encaminhada para o grupo formado por policiais. Logo após, o sargento respondeu ao texto dizendo que o governador “não fez mais que a obrigação. Deveriam perguntar para esse M de Gov. quando irá pagar em dia os servidores estaduais…”.

Reprodução / Reprodução
Mensagem enviada na quarta-feira, em grupo da BMReprodução / Reprodução

Cinco minutos depois, o sargento foi informado pelo mesmo grupo que deveria se apresentar ao chefe da seção. No mesmo dia foi aberto o processo, por suspeita de transgressão disciplinar. A falta foi considerada como grave. Segundo o major Rubinei Ricardo da Silva Júnior, que responde pelo comando do batalhão, o comentário foi feito em um grupo oficial.

— Não foi em um grupo de amigos. É um comentário que necessita um questionamento maior. Ele vai ter que se justificar, dizer porque escreveu aquilo.

Sobre a possível punição, embora a falta em tese cometida seja considerada grave, o comandante afirmou que dependerá do que for apurado ao longo do processo — explicou o major.

— É mais uma questão formal visando manter a disciplina da tropa. Inclusive ele é um policial que temos boa relação, mas não poderia ter externado um descontentamento daquela forma em relação ao governo do Estado — completou.

O sargento foi convocado para uma audiência no dia 3 de janeiro, quando poderá se explicar sobre o caso e apresentar testemunhas.