ZERO HORA: Policiais que mataram quatro suspeitos em Caxias agiram em legítima defesa, conclui inquérito

15

Confronto aconteceu no bairro 1º de Maio, no dia 23 de novembro

Dois meses depois da morte de quatro suspeitos no bairro 1º de Maio, em Caxias do Sul, o inquérito apontou que os policiais militares agiram em legítima defesa. A investigação da Polícia Civil foi concluída na segunda-feira. Morreram no confronto Pedro Henrique Caxambu de Jesus, 19 anos,  Robson dos Santos Oliveira, 23, Rodrigo de Andrade de Matos, 20, e Leandro de Melo Alves, 20.

Conforme a versão da Brigada Militar (BM), no final da manhã de 23 de novembro, os policiais foram até a casa no bairro 1º de Maio para apurar suspeita de ponto de venda de drogas e foram recebidos a tiros. Três pessoas morreram dentro da residência e outra em uma viela aos fundos. Nenhum policial ficou ferido. Alguns moradores contestaram a versão da BM, afirmando que não houve confronto.

De acordo com o delegado Rodrigo Duarte, da Delegacia de Homicídios e Desaparecidos de Caxias, a perícia apontou que o disparo de calibre 12 na porta da residência foi feito de dentro para fora, o que é indício de confronto. O exame residuográfico (que mostra resíduos deixados pelo disparo da arma) deu positivo para dois dos mortos. Para os outros dois, o resultado foi inconclusivo.

— Por meio de perícias se verificou que houve o confronto. Em razão disso, o inquérito foi remetido sem indiciamento em razão da punibilidade pelas mortes — explica Duarte.

Um dia depois da ocorrência no 1º de Maio, um ônibus foi incendiado no bairro Jardim América. O inquérito da Delegacia de Furtos, Roubos e Capturas resultou no indiciamento de três pessoas. Dois deles afirmaram à polícia que agiram em retaliação ao confronto. Eles, no entanto, negaram qualquer ligação com facções criminosas.