Grupo de extermínio que planejava a morte de policiais e agentes do Poder Judiciário é descoberto no Vale do Sinos

11
Polícia prendeu mais dois suspeitos da facção. Em 30 dias, 12 pessoas foram presas na investigação (Foto: Divulgação/Polícia Civil RS)

Entre os crimes da quadrilha, que faz parte de uma facção, está a morte do agente da Case, de Novo Hamburgo, em janeiro. Doze suspeitos já foram presos em um mês de investigações.

Por G1 RS e RBS TV

Um investigação iniciada há um mês pela Polícia Civil desarticulou um grupo de extermínio de uma facção que planejava a morte policiais e membros do Poder Judiciário. Os planos do grupo foram divulgados pela polícia nesta quinta-feira (8) em São Leopoldo, no Vale do Sinos, Região Metropolitana de Porto Alegre. A prisão dois suspeitos, membros da facção criminosa, aconteceu na tarde de quarta (7).

De acordo com a polícia, as investigações eram sobre roubo de veículos. Em 8 de fevereiro, a delegacia especializada de São Leopoldo prendeu cinco pessoas e apreendeu grande quantidade de drogas além de um arsenal de armas que seriam usados para o resgate de um apenado atualmente preso na PASC, em Charqueadas.

Após essas prisões, com autorização judicial, a polícia descobriu nos aparelhos celulares o plano de execução de autoridades da área de segurança e do Poder Judiciário além do resgate do apenado que iria depor em uma audiência.

Conforme a polícia, também foram descobertas mensagens contidas nos aparelhos com menção da execução do agente Hadylson Padilha, 51 anos, da Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Novo Hamburgo, ocorrida no fim de janeiro.

Marcas dos tiros ficaram no portão do Centro de Atendimento Socioeducativo de Novo Hamburgo (Foto: Reprodução/RBS TV)

Marcas dos tiros ficaram no portão do Centro de Atendimento Socioeducativo de Novo Hamburgo (Foto: Reprodução/RBS TV)

Um dos participantes do grupo teve prisão preventiva decretada após confissão da morte do agente da Case. O suspeito havia saído do Presídio Central no dia 26 de janeiro e no dia seguinte teria recebido a ordem da quadrilha de matar o agente.

O delegado Rogério Baggio, da Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo, responsável pela investigação da morte do agente, disse na época que tratava-se de uma execução.

“Trabalhamos com a hipótese que ele era mesmo o alvo. Que foi execução, isso não temos dúvida”, afirmou na ocasião.

Nos telefones apreendidos dos suspeitos, também continham fotos das armas utilizadas e de um casal executado em São Leopoldo, que seriam responsáveis pela segurança da esposa de Gordo Márcio, que também foi presa na praia de Torres recentemente.

Nos últimos 30 dias, 12 indivíduos foram presos, 6 pistolas 9mm, 6 coletes, 90 kg de drogas e 12 carros roubados foram recuperados.

Há um mês a polícia havia prendido cinco suspeitos por planejaram fresgate de de uma apenado, em São Leopoldo. (Foto: Divulgação/Polícia Civil RS)

Há um mês a polícia havia prendido cinco suspeitos por planejaram resgate de de uma apenado, em São Leopoldo. (Foto: Divulgação/Polícia Civil RS)