ASSTBM cumpre agenda com o Vice-Governador para tratar de demandas da categoria

1237

Na tarde desta segunda-feira (21/jan) ASSTBM, representada pelo seu Presidente Aparício Santellano e seus Diretores Ricardo Agra e Rogerio Haselein,  participaram de agenda com o Delegado Ranolfo Vieira Junior, Vice-Governador do Estado e Secretário de Segurança Pública/RS.

A reunião teve por finalidade levar ao conhecimento do Vice-Governador as deliberações da entidade, resultantes de reunião com seus representantes da sede central Porto Alegre e das 10 regionais no interior do estado. As propostas vão balizar a luta da entidade neste atual período, as quais apresentamos para o debate junto ao Governo do Estado

AS DEMANDAS APRESENTADAS

  • Manutenção da Paridade e Integralidade Salarial entre ativos e inativos;
  • Reposição integral da inflação anual e negociação de aumento salarial;
  • Reestruturação Urgente do Plano de Carreira dos Policiais Militares de Nível Médio;
  • Cronograma de Cursos de Habilitação para Sargentos e Tenentes;
  • Não retirada das Vantagens por Tempo de Serviço, (Triênios e Adicional );
  • Renovação e complementação das vagas necessárias para Abono de Incentivo à Permanência no Serviço Ativo (AIPSA).

A ASSTBM, confiante no posicionamento do Senhor Governador Eduardo Leite e de Seu Vice, Delegado Ranolfo de dialogar com as entidades, nos colocamos à disposição para participar das discussões em torno de temas da nossa categoria. Também queremos lembrar que somos Militares Estaduais com Regulamentação e Regime Jurídico próprio, o que nos leva a uma condição especial na previdência, na qual lutaremos na esfera Federal e Estadual pela manutenção dos diretos e vantagens vigentes.

O Senhor Vice-Governador levará as demandas ao governo do estado e pede aos servidores tranquilidade, que não tirem conclusões precipitadas com informações incompletas e especulativas acerca das reformas que o governo pretende. Ranolfo frisa que tudo será feito as claras, com muito diálogo com as categorias, um compromisso do Governador Eleito.

Pelo Poder da Vontade, não pela Vontade do Poder”