Destravada lei que permite dinheiro privado para a segurança pública do RS

491

Parte do ICMS devido por empresas poderá ser utilizado para comprar equipamentos para as polícias do Estado

Viaturas para a Brigada Militar poderão ser compradas com dinheiro doadoRonaldo Bernardi / Agencia RBS

GAUCHAZH

Vem aí dinheiro extra para enfrentar o crime no Rio Grande do Sul. Depois de um intenso vai e vem, a regulamentação de lei de incentivo à segurança foi assinada, durante a semana, pelo Piratini. Os investimentos, feitos por empresários com a ajuda de incentivos fiscais, serão revertidos em viaturas, coletes e equipamentos de comunicação.

O governo afirma que armas também entram no pacote, mas o Instituto Floresta, pai da ideia, avalia que, na prática, é difícil, por entraves burocráticos. Mesmo assim, calcula que, 30 dias depois do ok da Secretaria de Segurança, os primeiros cem carros com proteção contra tiros estarão sendo entregues aos batalhões de choque do Estado – prioridade definida pelo Piratini, a qual se somam cem viaturas discretas para a Polícia Civil.

O Instituto Floresta reconhece e celebra a persistência do governo, que conseguiu dar um passo à frente, mesmo que a decisão signifique abrir mão de recursos que certamente seriam utilizados para cumprir uma das mais comentadas promessas de campanha de Eduardo Leite: pagar salários em dia.

Ao destravar a lei de incentivo à segurança, Leite dá um recado positivo à sociedade: o governo não trabalha apenas para saciar o apetite da sua própria engrenagem.