Pacote mobiliza Brigadianos

770

Aconteceu nesta sexta-feira, na sede central da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar, Regional Sant´Ana do Livramento, com significativo número de Policiais e Bombeiros Militares, reunião de mobilização, quando foram apresentados a categoria Brigadiana e analisados, os 117 itens que fazem parte do prejudicial pacote de maldades do governo Eduardo Leite.

Pacote pernicioso

O pacote que está sendo proposto pelo Governador do Estado, foi classificado pela categoria como desumano e altamente nocivo ao funcionalismo e, entre os itens apresentados, 20 são perniciosos aos interesses da categoria e convergem diretamente com a retirada de direitos, sendo rechaçados, de forma veemente, pela totalidade dos Policiais presentes.

Explanação clara e objetiva

De forma objetiva, o Presidente da ASSTBM, André Luis Pereira, fez uma brilhante e esclarecedora explanação sobre o pacote de medidas que atingirá todos os Brigadianos, ativos e inativos, destacando que, com o passar do tempo, os mais penalizados serão os policiais militares mais modernos, pois terão seus avanços cortados, diminuindo consideravelmente suas remunerações, frisando que a intenção do governo é suprimir direitos tais como os adicionais por tempo de serviço e as vantagens temporais denominados de triênios.

Consequências do pacotaço

Salientou que a preocupação é com as consequências que o pacotaço irá causar, pois com a diminuição do incentivo de permanência, os policiais que já estão com o tempo vencido, com certeza, irão solicitar a reserva remunerada e a Brigada Militar, que já está com uma defasagem de 50% de seu efetivo, terá uma significativa e preocupante redução, diminuindo cada vez mais suas condições de prestar a população gaúcha uma segurança eficaz e de excelência.

A voz de quem faz segurança

Após a explanação, os Policiais Militares se manifestaram realizando questionamentos, externando fortes opiniões e a desconformidade pela forma com que estão sendo tratados não só pelo Governador, mas, também, por uma significativa parcela da classe Política que não reconhece a importância da segurança pública para o desenvolvimento do Estado e para a população. Por fim, deixaram sugestões para manter a classe Brigadiana mobilizada.

Deptº de comunicação ASSTBM / Livramento