SSP monitora servidores das instituições de segurança pública diante da pandemia do novo coronavírus

374
Até o momento apenas três servidores ficaram infectados, sendo dois da Polícia Civil e um do Corpo de Bombeiros Militar

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou na manhã desta segunda-feira que até o momento foram registrados dois casos confirmados da Covid-19 na Polícia Civil e um caso registrado no Corpo de Bombeiros Militar. “Já foram adotadas as devidas medidas de isolamento dos pacientes e quarentena preventiva dos que com eles tiveram contato”, esclareceu em nota. “Os efetivos da Brigada Militar e do Instituto-Geral de Perícias seguem sem nenhum caso”, acrescentou. “Não há também qualquer prejuízo ao trabalho de policiamento e demais serviços dessas instituições em nenhum local do Estado em razão da pandemia”, frisou.

Sobre as mensagens que circulam nas redes sociais, como cerca de 200 brigadianos fora de serviço por suspeita ou fazerem parte de grupos de risco, a SSP lembrou que “todos os dias há policiais sendo afastados por inúmeros motivos de prevenção, como gripe leve, rinite, asma e retorno de viagem. Assim como todos os dias também há policiais retornando ao trabalho”. Conforme a SSP, “a constante atualização do número de afastados para divulgação à imprensa, tendo em vista sua dinâmica de alteração a todo momento, não está entre as prioridades que a Segurança Pública precisa atentar nesse momento de gravidade”.

Todas as medidas de prevenção prosseguem sendo adotadas entre as instituições, como higienização das viaturas, lavagem das mãos, uso de álcool gel, distância segurança no contato pessoal e uso de protetores faciais e máscaras, entre outras. A Brigada Militar, por exemplo, já recebeu mais de 10 mil máscaras e protetores faciais. Por sua vez, a Polícia Civil recebeu cerca de R$ 1,8 mil deste material.

Já na Superintendência dos Serviços Penitenciários, vinculada à Secretaria de Administração Penal, nenhum caso da Covi-19 foi registrado até agora entre os servidores, sendo que 64 estão afastados por serem de grupo de risco.

Fonte: Correio do Povo / Foto: Guilherme Almeida / CP