Tecnologia vai substituir o sistema analógico, vulnerável às escutas pelos criminosos | Foto: Alina Souza / CP

A Brigada Militar vai migrar totalmente para o sistema de radiocomunicação digital, abandonando a tecnologia analógica. O investimento é de cerca de R$ 2,9 milhões e faz parte do recém lançado programa Avançar na Segurança. “É fantástico. É uma mudança de paradigma”, resumiu o diretor do Departamento de Informática da BM, coronel Adenir Brito da Silva, à reportagem do Correio do Povo. “É uma vontade do governo em implementar”, observou.

Do total dos recursos investidos, em torno de R$ 1,4 milhão será oriundo do governo do Estado e aproximadamente R$ 1,5 milhão virá do Fundo Nacional da Segurança Pública. Está incluída a compra de rádios portáteis, móveis e fixos, além de repetidoras, com verba federal. O uso compartilhado de infraestrutura de radiocomunicação digital é com o Exército Brasileiro.

Os batalhões da Capital são os primeiros contemplados. Houve uma experiência nos últimos dois anos com o 21º BPM. “No ano passado colocamos no 9º BPM. É a primeira unidade que de fato a gente migrou para este sistema”, lembrou o coronel Adenir Brito da Silva.

“Vamos migrar para toda Porto Alegre. Nossa vontade é no mais tardar em janeiro e fevereiro do próximo ano”, afirmou, citando que os equipamentos já foram comprados. O diretor do Departamento de Informática da BM acredita inclusive que batalhões de uma parte da Região Metropolitana poderão ser incluídos juntos no processo.

O coronel Adenir Brito da Silva considerou também irreversível o sistema de radiocomunicação digital na instituição. Em comparação ao analógico, ele ressaltou que o novo sistema impede o rastreamento da comunicação dos policiais militares pelos criminosos. “Eles não conseguem entrar…”, assegurou. Já o áudio é “super limpo”.

Outra consequência vantajosa decorrente do sistema digital é o aumento das prisões, pois os bandidos serão surpreendidos pelas guarnições. “Eles não conseguem ouvir a polícia”, enfatizou o coronel Adenir Brito da Silva.

Enquanto o novo sistema não atingir todo o Rio Grande do Sul, a Brigada Militar pretende repassar os equipamentos analógicos desativados às unidades do Interior.

Fonte: Correio do Povo