Com isso, projeto deixa de tramitar em regime de urgência e depende de acordo para ser votado

Foto: Rafael Silva / Brigada Militar / CP

O governo do Estado retirou o pedido de urgência do projeto que prevê o plano de carreira do nível médio da Brigada Militar. Assim, a proposta, que tinha previsão de trancar a pauta de votações a partir de 16 de fevereiro, agora depende de acordo para ser discutida.

Havia receio em torno da possibilidade de votação do projeto em meio às discussões sobre a adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal. Segundo o secretário estadual da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, porém, o texto da BM não prevê aumento de gastos.

O governo tentou votar o texto no fim do ano passado, mas não obteve acordo. O projeto sofreu rejeição entre todas as entidades representativas dos praças da Brigada Militar, reunidas em Assembleia Geral. Segundo as entidades, pontos cruciais que faziam parte do texto original foram omitidos ou rejeitados pelo Executivo, como, por exemplo, a extinção do Centro Técnico de Segurança Pública (CTSP) e a promoção exclusivamente por antiguidade, além de curso superior para ingresso na carreira.

Fonte: Mauren Xavier / Correio do Povo