Santana do Livramento

 
HISTÓRICO

Criado na antiga sala das metralhadoras, hoje Comando Regional de Polícia Ostensiva da Fronteira Oeste, onde um grupo de idealistas começou planejar a fundação de um clube para os Subtenentes e Sargentos da Brigada Militar.
Assim surgiu o Centro Esportivo Sargento Edemar que teve como primeiro presidente o Subtenente Eduardo Ribeiro Coelho.
A construção se deu início com a colaboração de todos os brigadianos: uns colaboraram com materiais, outros com mão de obras e assim com uma vontade férrea o Centro Esportivo começou a tomar forma.
O primeiro presidente eleito foi o Sargento Celino Marques do Nascimento.
Em 1965, o Centro Desportivo Sargento Edemar, foi filiado ao Clube dos Subtenentes e Sargentos da Brigada Militar, decisão essa tomada em assembléia com a votação de 24 votos a favor e nenhum contra.
Com o advento da filiação ao CSSBM, o Centro Esportivo Sargento Edemar passou a denominar-se 1ª Delegacia do Clube dos Subtenentes e Sargentos da Brigada Militar.

CORONEL ORLANDO MENEZES DA SILVEIRA – PATRONO DA REGIONAL DE LIVRAMENTO

Em reconhecimento a este Comandante, os diretores do clube, o nomearam com muita justiça o Patrão de Honra, e hoje vimos na sala da Presidência sua foto, como quem acompanha o dia a dia o progresso da entidade que graças ao seu envolvimento pessoal, foi doado o terreno para a construção da sede da 1ª Delegacia do Clube dos Subtenentes e Sargentos da Brigada Militar.

EM 1966, A GRANDE CATASTROFE

Na véspera dos preparativos para o carnaval de 1966, um vendaval arrancou o telhado e grande parte das paredes da recém construída 1ª Delegacia do Clube dos Subtenentes e Sargentos da Brigada Militar,deixando desolado todos os abnegados que começavam a dar vida ao sonho dos Sargentos do 2º Regimento de Cavalaria.. O Subtenente Guaracy, ao ver o desastre ocorrido, sentou-se frente ao Clube e como se não tivesse mais forças para prosseguir na luta começou a lamentar pelo ocorrido. Foi quando novamente o Major Orlando mostrou a liderança de que era possuidor e sem vacilar afirmou que construiria novamente o clube. E assim foi feito novamente, unindo tijolo a tijolo com a força da vontade daquele grupo de colegas idealistas e abnegados dotados de muita fé e coragem o que em pouco tempo tornou possível à reconstrução do clube.

OS QUE ESCREVERAM A HISTÓRIA

Entre os homens que passaram por nós, temos que lembrar com saudade de Odir Texeira, Horácio Coles, Francisco Gonçalves, Guaracy Ferreira Dias, Ivan Wesbach, Darcy Gonçalves, Celino Marquesa do Nascimento, Pedro Lima e Gregório Heredes.
Agradecemos a esses homens que com muita vontade nos legaram um patrimônio invejável, pois falar deles é uma lição de vida para todos. Hoje, estamos órfãos de pessoas abnegadas como estas, que nos legaram um patrimônio fantástico e que muitas vezes somos incompetentes para mantê-lo em condições de funcionamento.

EM 1982 FOI CRIADO O DEPARTAMENTO TRADICIONALISTAO


Presidente Arancíbio Correa Gomes, nomeou uma comissão composta pelo Subtenente Ciro José da Silva Melo, 2º Sgt Jorge Miguel Ribeiro Alves, 3º Sgt Jesul Delci Fagundes e o 3º Sgt José Vilmar Pereira de Medeiros, com a finalidade de criarem o Departamento de Tradicionalismo e assim surgiu o PTG Ponteiros do Rio Grande com o objetivo de cultivar as tradições gaúchas. Esta comissão trabalhou tanto e de bom agrado que em 1995 o PTG foi Elevado a estatus de CTG sendo atualmente denominado CTG Ponteiros do Rio Grande tendo como Patrão o 1º Sgt JOSÉ KLEBER VARGAS ARDUVINO.