Após aprovação da LDO, sindicatos definem assembleia para discutir greve geral no RS

217

Texto congela o custeio da máquina pública e deixa funcionalismo sem reajustes novos em 2016

Horas após a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) na Assembleia Legislativa, entidades representativas do funcionalismo público se reuniram hoje para discutir as consequências do texto. A LDO, que define as diretrizes do Orçamento de 2016, mantém o congelamento do custeio da máquina pública e tira a possibilidade de novos reajustes para os servidores públicos no ano que vem. Participaram do encontro representantes da Federação Sindical dos Servidores Públicos no Estado do Rio Grande do Sul (Fessergs), Cpers Sindicato e União Gaúcha em Defesa da Previdência.

Depois de classificar de “grande teatro” a atuação de deputados que votaram a favor da Lei, o presidente da Fessergs, Sérgio Arnoud, adiantou que uma assembleia geral ocorre na segunda quinzena de agosto para discutir a proposta de greve geral do funcionalismo, por tempo indeterminado. “Existe uma inconformidade e uma indignação generalizada no seio do funcionalismo. Se fôssemos apressados, nós chamaríamos uma greve geral pela imprensa, mas como estamos preocupados com a sociedade gaúcha nós vamos discutir a realização de uma assembleia geral que vai definir a paralisação ou não dos serviços públicos”, explica.

A Fessergs vai ser uma das coordenadoras do movimento. Arnoud ainda lamentou que a LDO, do modo como foi aprovada, limita o orçamento para o próximo ano e tende a afetar serviços de educação, segurança, saúde e transporte. Apesar de não assegurar sequer a reposição da inflação para os servidores, o texto aprovado, porém, não modifica benefícios já adquiridos, incluindo os reajustes concedidos pelo governo anterior.

Fonte: Rádio Guaiba

Fotos: Tatiana Danielli

Postado por Comunicação DEE ASSTBM

reuniaosindicatos reuniaosindicatosbancada

Nesta sexta-feira, o Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindsepe) já se reúne em assembleia geral para discutir a manutenção de direitos trabalhistas do funcionalismo.