RS terá reforço na Polícia comunitária

21

Ações preveem instalação de postos e centros integrados de segurança

O policiamento comunitário poderá ser implementado em breve no Estado. O assunto foi tratado em Brasília pelo secretário-adjunto da Segurança Pública, Juarez Pinheiro, junto com o coordenador do Programa Estadual de Segurança Pública com Cidadania (Proesci), Carlos Santana. Ambos estiveram na Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça, discutindo melhorias da segurança no RS. Entre outros pontos, a instalação de estruturas que possibilitem o policiamento comunitário e a participação do RS na implantação de uma política nacional de prevenção e redução de homicídios.

Em relação ao policiamento comunitário, a discussão abordou o Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC-2), que prevê a instalação, em todos os estados, de 441 postos de segurança comunitária, de 60 metros quadrados, e de 449 centros integrados de segurança comunitária, em área de 120 metros quadrados, 250 metros quadrados e 450 metros quadrados. Conforme Pinheiro, o Executivo discute, junto à Brigada Militar e à Polícia Civil, a instalação de parte destes espaços nas comunidades. “O policiamento comunitário é uma das formas mais eficazes de combate à prática de delitos, sobretudo o homicídio”, disse.

A Senasp e a Secretaria de Segurança Pública definiram a realização de um seminário internacional, entre 31 de agosto e 2 de setembro, com foco no policiamento comunitário. “Estas iniciativas demonstram a nossa disposição de aprofundar a implantação do policiamento comunitário no RS”, considerou.

Também foi discutida a instituição de um Sistema Nacional de Estatística de Segurança Pública e Justiça Criminal, que pretende nivelar nacionalmente informações sobre delitos.

Correio do Povo