Prefeito Fortunati admite “sensação de insegurança em Porto Alegre”

46
Prefeito de Porto Alegre se reuniu com secretário de Segurança Wantuir Jacini. Foto: Luciano Lanes / PMPA
Prefeito de Porto Alegre se reuniu com secretário de Segurança Wantuir Jacini. Foto: Luciano Lanes / PMPA

Prefeito de Porto Alegre se reuniu com secretário de Segurança Wantuir Jacini

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, deixou a reunião com o secretário de Segurança, Wantuir Jacini, prometendo uma aproximação da prefeitura e do Estado no combate à violência. Fortunati admitiu que Capital passa por uma “sensação de insegurança”, mas evitou apontar a diminuição do efetivo policial na cidade como um dos motivos para a situação.

“Foi decidido que nós vamos trabalhar ainda mais em conjunto. Nós já trabalhamos em conjunto e vamos aumentar isso. Temos realizado vários encontros na cidade sobre vários temas, como o binário, e percebemos que a segurança pública é o tema principal. É importante termos nas audiências públicas também representantes da segurança pública com o objetivo de dialogar para trabalharmos em conjunto com a população”, disse o prefeito, em entrevista coletiva.

Questionado se o corte das horas extras dos policiais pode ser um causador da sensação de insegurança, José Fortunati disse que não pretende dar palpite sobre decisões do governo estadual. Jacini não se manifestou após a reunião, ocorrida na Secretária de Segurança Pública.

“Isso compete à administração da segurança publica. Nós não demos essa sugestão. Apenas passamos o que está acontecendo em Porto Alegre, que é essa sensação de insegurança. Tentamos mostrar que a prefeitura quer trabalhar em conjunto. Não é meu papel cobrar pagamento de horas extras”, afirmou o prefeito.

Fortunati ainda garantiu que o encontro com o secretário Wantuir Jacini não teve relação com a morte do traficante Teréu, que gerou foguetório em territórios de inimigos na disputa pelo comando do tráfico. O prefeito, no entanto, afirmou que é lamentável que gangues tenham a tranquilidade para se manifestar de tal forma. “Isso é lamentável porque mostra que gangues de narcotraficantes se manifestando de forma aberta. Isso merece todo a nossa lamentação”, concluiu.

Fonte:Correio do Povo e Rádio Guaíba