Quando a primavera chegar

47

As cúpulas da segurança pública, sobre a defasagem de profissionais, costumam contestar que a inteligência e a tecnologia são aplicáveis com sucesso mesmo com efetivo reduzido. No entanto, estas mesmas cúpulas providenciam, ligeiras, nos chamados reforços quando a ação da bandidagem se torna abusiva. À luz da inteligência, são retirados policiais de um lado e colocados em outro. Isto, há anos, tem valido para Porto Alegre e para o Estado inteiro. O único sucesso pleno desta estratégia ocorreu na Copa de 2014. Passado o evento, os índices de criminalidade continuaram num crescente. É a esclerosada estratégia do cobertor curto e, com ela, a Secretaria da Segurança pretende, com otimismo, até o final da próxima primavera, reduzir em quatro porcento os índices de criminalidade no RS. Parece-me, nesta altura, correta esta projeção. Cinco porcento, nem pensar.

Wanderley Soares

Jornal O Sul

Postado por Comunicação DEE ASSTBM

Editoria de Arte/O Sul
Editoria de Arte/O Sul