Vitor Paladini acusa Brigada Militar de abuso de autoridade

97
5324237d11721a8
Vereador falou com a imprensa nesta terça-feira e não mediu palavras para criticar os policiais militares (Foto: Jô Folha – DP)

De acordo com o coronel do 4º BPM, policiais foram xingados pelo vereador e ação foi legítima

Após ser preso por desacato, o vereador Vitor Paladini (PMDB) acusou os policiais militares dePelotas envolvidos no caso de “bandidos de farda”. Em coletiva de imprensa na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ainda afirmou que irá até a última instância para cobrar punição pela denúncia de abuso de autoridade. Na noite do último domingo, o parlamentar e a companheira, a advogada Ângela Souza e Silva, foram detidos durante uma operação policial na casa da empregada doméstica do casal.

Conforme os relatos de Paladini, a funcionária ligou no último domingo à noite pedindo ajuda já que a Brigada Militar (BM) teria invadido a residência. Ao chegarem na casa, na rua Almirante Landim, no Fragata, ele questionou os policiais sobre o mandado de busca e apreensão, além de solicitar o acompanhamento das diligências. Entretanto, ao ter os pedidos negados, o advogado classificou a atitude como “absurda e desnecessária”.

Depois de protestar e requisitar o direito de entrar na residência, o casal recebeu a acusação de desacato. Eles foram algemados e colocados dentro da viatura. O vereador ainda acusa os policiais de agressões nos punhos, na cabeça e de terem arrancado a carteira da OAB de suas mãos. Sem realizar o exame de corpo e delito no Pronto-Socorro de Pelotas (PSP), ambos foram encaminhados à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) para registro da ocorrência

O outro lado
Em entrevista ao Diário Popular, o comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar (BPM), coronel André Pithan, defendeu a postura dos policiais durante a ação. Ao rebater as acusações do vereador, Pithan disse que “também há advogados bandidos”. Ainda segundo o comandante, a operação foi motivada por denúncia anônima e depois de a BM deter um usuário que havia comprado drogas em residência localizada no mesmo terreno em que se situa também a casa da empregada do parlamentar, na qual não foram encontrados entorpecentes. A comercialização, conforme a BM, funcionava na residência da frente, onde outras pessoas moram. Na ação, foram apreendidos 23 pedras de crack, 32 papelotes de cocaína, 50 gramas de maconha e uma balança de precisão. Uma pessoa foi presa por tráfico de drogas.

Apoio
O presidente do Legislativo, Ademar Ornel (DEM), e o vereador Marcos Ferreira (PT) acompanharam Paladini durante a entrevista coletiva e reafirmaram o apoio da Câmara ao parlamentar. A OAB também demonstrou solidariedade aos advogados realizando pedido de desagravo contra o 4º BPM. A medida corresponde à ação em que os profissionais tenham sido ofendidos no exercício da profissão ou em razão dela. Reunião marcada para quinta-feira, na sede da Ordem em Pelotas, buscará reunir outros casos como este no município.

Vídeos
Paladini afirma que filmou a ação policial para comprovar as acusações e na coletiva disse que divulgaria as imagens. Contudo, até o fechamento desta edição as imagens não foram disponibilizadas.

Diário Popular