Rosane de Oliveira: semana de tensão em todas as áreas

52

São poucos os funcionários públicos que têm poupança para sacar enquanto o salário não vem. Com mais de 80% ganhando menos do que o auxílio-moradia de um juiz ou de um promotor, a maioria dos servidores do Executivo está endividada. São R$ 123 milhões por mês só de empréstimos consignados, sem contar o negativo do cheque especial, o cartão de crédito e a prestação da casa própria.

Diferentemente de julho, quando metade recebeu em dia, desta vez ninguém escapou. A sensação de injustiça se multiplica entre os que ganham menos por constatar que a miséria é privilégio do Executivo. O princípio de que todos são iguais perante a lei não vale neste caso: para não comprar briga com os outros poderes, o governador José Ivo Sartori optou por sacrificar apenas a massa que está sob o guarda-chuva do Executivo.

Assim como a Constituição garante autonomia aos poderes, não há lei que autorize o atraso. Se não há dinheiro para todos – e não há –, o mínimo que Sartori deveria fazer era socializar o prejuízo.

Legislativo, Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas e Defensoria Pública estão pagando em dia não só os salários (direito de todos), mas os penduricalhos que elevam contracheques para além do teto de R$ 30,4 mil.

Sartori poderia ter ampliado o uso dos depósitos judiciais, mas optou por esticar a corda, temendo que a sensação de alívio enterrasse o projeto de aumento do ICMS. O preço da opção começará a ser conhecido nesta segunda-feira.

Por: Rosane de Oliveira

mailto:rosane.oliveira@zerohora.com.br

Postado por Comunicação DEE ASSTBM

imagemnotas