Chefes de poderes avaliam pagar 13º com economias do ano

31
Presidente da Assembleia, Edson Brum, disse acreditar que será possível quitar os valores sem precisar recorre a empréstimo Foto: Juliana Bublitz / Especial ZH
Presidente da Assembleia, Edson Brum, disse acreditar que será possível quitar os valores sem precisar recorre a empréstimo
Foto: Juliana Bublitz / Especial ZH

Em reunião com o governador José Ivo Sartori, os representantes do Judiciário, Legislativo, Ministério Público e do Tribunal de Contas do Estado continuam resistentes à possibilidade de pagamento via empréstimo em nome dos servidores, como fará o Poder Executivo

Depois de mais de duas horas de reunião no Palácio Piratini, nesta sexta-feira, os chefes do Judiciário, do Legislativo, do Ministério Público (MP) e do Tribunal de Contas (TCE) se comprometeram a avaliar a possibilidade de pagar o 13º salário de seus servidores com recursos economizados ao longo de 2015. Uma nova reunião deve ocorrer na próxima quarta-feira para definir o assunto.

De acordo com o procurador-geral de Justiça, Marcelo Dornelles, que comanda o MP, o grupo chegou ao consenso de que fazer o pagamento via empréstimo bancário no nome dos servidores não é a melhor alternativa. A saída será adotada pelo Poder Executivo.

Todo mês, o governo estadual repassa R$ 290 milhões aos demais poderes para custeio e folha. É o chamado “duodécimo“. A cada fim de ano, o Executivo deve repassar, além do duodécimo de dezembro, R$ 270 milhões a mais para garantir o 13º salário dos funcionários.

Por conta da crise nas finanças, em outubro, o governador José Ivo Sartoridisse aos representantes dos demais poderes que não haverá dinheiro suficiente em caixa para o 13º.

No caso do Executivo, os servidores terão de fazer uma espécie de empréstimo consignado para poder receber o valor, que será pago pelo Estado, diretamente ao banco. O governo também pagará os juros – para isso, precisa, antes, aprovar um projeto na Assembleia.

Desde que a discussão teve início, os chefes dos demais poderes vinham resistindo à possibilidade de aderiar à medida. Nesta sexta-feira, foram convocados para uma reunião-almoço no Piratini. Sartori fez um último apelo.

– Houve o consenso de que vamos tentar encontrar soluções internas, que independam de empréstimo. Todos vêm fazendo contingenciamento. No caso do MP, cortamos muitas despesas. Agora vamos avaliar se é possível pagar. Quem não conseguir, terá de aderir ao empréstimo – disse Dornelles.

Presidente da Assembleia, Edson Brum (PMDB) destacou que a Casa já havia anunciado a devolução de R$ 42 milhões ao Executivo. Para o 13º dos servidores do Parlamento, serão necessários R$ 23 milhões.

– Vou ver tudo o que ainda temos de pagar até o fim do ano e fazer o possível para quitar o 13º com as nossas economias internas. Cortamos em luz, telefone, deixamos de fazer obras que estavam previstas, então é provável que consigamos – afirmou Brum.

O presidente do TCE, Cezar Miola, também falou nas medidas de contenção adotadas pela instituição. Ele disse que o órgão deixou de nomear 40 auditores para reduzir as despesas com pessoal. O 13º do TCE também custará cerca de R$ 23 milhões aos cofres públicos.

– Se tivermos condições, vamos pagar – garantiu Miola.

O único que deixou o local sem falar com a imprensa foi o presidente do Tribunal de Justiça, José Aqui Flôres de Camargo, que administra a maior folha depois do Executivo. Aquino limitou-se a afirmar que não era o “momento” para fazer declarações.

ZERO HORA