Prefeitura de Viamão e governo definem contrapartidas para construção de presídio

14

Entre as propostas, a SSP vai disponibilizar R$ 1,3 milhão em recursos para compra de viaturas, armas e coletes à prova de balas para a Polícia Civil e a Brigada Militar 

Por: Cristiano Duarte ZERO HORA

Uma reunião entre o prefeito de Viamão, André Pacheco (PSDB), e o secretário adjunto da Secretária de Segurança Pública (SSP), Everton Oltramari, nesta quinta-feira (27), definiu algumas das contrapartidas que o município receberá com a construção de um novo presídio. Entre as alternativas apresentadas pelo governo do Estado, Viamão receberá reforço do efetivo da Brigada Militar e, além disso, cerca de R$ 1,3 milhão em recursos, decorrentes de emendas parlamentares para compra de viaturas da Polícia Civil e da Brigada Militar, além de armas e coletes à prova de balas.

De acordo com André Pacheco, o presídio de Viamão é uma oportunidade de captar recursos na área de segurança pública para a cidade. Para o secretário adjunto da SSP, a construção de um sistema prisional na cidade é uma alternativa para atender a população local.

— Estivemos à disposição do Estado para trazer o sistema sistema prisional para Viamão. É uma oportunidade de contribuirmos com a segurança pública, tanto da cidade, quanto do Estado — afirmou o prefeito.

— Há cerca de 1,8 mil presos no Estado que possuem família em Viamão. A presença constante da família ajuda na possibilidade de ressocialização dos apenados — explicou o coronel Oltramari.

A Secretaria de Segurança Pública estima que a verba de R$ 1,3 milhões será disponibilizada à prefeitura de Viamão até novembro deste ano.

Impasse

Na Câmara de Vereadores de Viamão, quatro dos 21 vereadores formaram um bloco de oposição à construção do presídio. Os parlamentares tentam se basear na “lei anti-presídio”, que foi instaurada durante a gestão de Valdir Bonatto (PSDB) e impede a construção de detenções em áreas urbanas. Porém, o prefeito de Viamão comprometeu-se em revogar a medida, já que não há viabilidade jurídica do município legislar sobre o Estado.

— Não somos contra a construção do presídio, somos contra a falta de diálogo do governo com a população. O local onde o presídio será construído é rodeado de moradores que são contra esta medida — disse André Pretto Filho (PT), líder da oposição a construção do presídio.