Livramento: Após protesto contra Ivo Sartori, manifestantes pedem apoio do prefeito

23

Jornal a Platéia: Nessa sexta (01 de setembro) servidores públicos do estado fizeram uma manifestação na Esquina Democrática contra o parcelamento dos salários e o pagamento de apenas R$ 350,00 reais de primeira parcela autorizado pelo Governador Ivo Sartori para os salários de agosto.
Este é o 21º parcelamento de salários de servidores de sua gestão. O sistema teve início em 2016. A folha de agosto dos servidores vinculados ao Executivo estadual começou a ser paga nesta quinta, com depósitos de R$ 350. Em julho, as parcelas começaram com R$ 650. A parcela anunciada é a mais baixa até então. A previsão do governo é que os salários de ativos, inativos e pensionistas terminem de ser pagos no próximo dia 13. Além do primeiro depósito do salário, a Secretaria da Fazenda depositou a oitava parcela para 13º salário de 2016, que vem sendo pago gradativamente.
Os servidores ligados principalmente aos setores da educação e segurança chamaram a atenção de pedestres e motoristas com palavras de ordem e panfletos. Após criticarem duramente o Governo Sartori, o grupo desceu em caminhada pela Rua dos Andradas em direção ao Prédio da Prefeitura com a intenção de falar com o prefeito Solimar Ico Charopen e pedir apoio do Município.
Os servidores estaduais alegam que com o parcelamento dos salários muitos trabalhadores estão endividados e que por isso estão atrasando também o pagamento de suas contas de água, desta forma, o pedido dos manifestantes foi para que o DAE não cortasse o abastecimento de água dessas famílias em razão da falta de pagamento das faturas.
O Prefeito ressaltou que um governo sério é aquele que honra suas obrigações com o funcionalismo público e lembrou que o SISPREM ainda nesta semana garantiu o direito de reajuste de salário com o piso nacional para mais de 150 professores aposentados. Com relação ao pedido dos trabalhadores do estado, o prefeito garantiu que o abastecimento de água será mantido, mesmo sem o pagamento das faturas e solicitou aos sindicatos e organizadores do protesto que encaminhassem uma lista com os nomes e dados de cada funcionário para que o controle pudesse ser feito.