GAUCHAZH: 283 PMs que voltaram da reserva para reforçar segurança estão há dois meses sem receber pagamento

30
Entre as atividades desempenhadas pelos policiais está auxílio no patrulhamento de ruas
André Ávila / Agencia RBS

Servidores aderiram à última turma do Programa Mais Efetivo. Secretaria da Fazenda confirma atraso por questões burocráticas e projeta regularização em setembro

Chamados pelo governo estadual para reforçar o policiamento, 283 brigadianos que retornaram da aposentadoria para reassumir funções estão há quase dois meses sem receber as gratificações.

Eles reingressaram na tropa em 4 de julho de 2018, por meio do Programa Mais Efetivo (PME), destinado a permitir que agentes de segurança retomem o trabalho para combater a escassez de servidores da área.

O acordo previsto em lei é de que, além do salário de aposentado, que segue pago normalmente, os 283 recontratados teriam direito a gratificação mensal de R$ 2,4 mil, acrescida de percentual que varia de acordo com a área de atuação para a qual cada servidor foi designado — a maioria está no policiamento nas ruas, mas também existem opções como guarda externa de presídios, entre outras previsões.

Na prática, o contingente recontratado está atuando, mas não recebeu as bonificações de julho e de agosto. Por isso, são quase dois meses de gratificação atrasada.

Sem se identificar, um policial que aderiu a esta mais recente turma do PME reclamou, em contato com GaúchaZH, que, até o momento, está “há mais de 45 dias pagando para trabalhar”.

A Secretaria da Fazenda confirma o atraso na quitação dos benefícios. A pasta explica que não se trata de questão financeira, já que a bonificação de 283 policiais significa parte ínfima da folha de pagamento líquida do Executivo, que alcança atualmente cerca de R$ 1,2 bilhão.

O problema, assegura a Fazenda, foi de ordem burocrática. Quando os agentes são recrutados para voltar ao trabalho, é dado início ao processo em que a documentação de cada policial é separada na Brigada Militar, remetida à Secretaria de Modernização Administrativa e dos Recursos Humanos e, por último, segue à Fazenda, onde é feito o cálculo dos acréscimos que irão incidir sobre os bônus. O entrave que deixa os trabalhadores sem os recursos ocorreu neste trâmite de três etapas.

A Fazenda informou que os 283 últimos contratados pelo PME ainda não estão na folha de pagamento do Estado do mês de agosto. A assessoria de comunicação do órgão disse que o débito deverá ser quitado em folha suplementar no decorrer de setembro. Na ocasião, será paga a bonificação proporcional aos dias trabalhados em julho e o mês cheio de agosto.

O PME, atualmente, permite que cerca de 1,8 mil policiais aposentados retomem as atividades na segurança pública. A falta de pagamento do bônus, contudo, está concentrada na turma dos últimos 283 que assumiram postos a partir de julho.