PREVIDÊNCIA: NÃO HÁ COMO COMPARAR FORÇAS ARMADAS COM BRIGADA MILITAR

3139
Foto Google

NOTA ASSTBM: Não tem como comparar uma tropa que vive aquartelada, sem correr riscos, pagando 7,5% de previdência e 3,5 de Saúde, com a Brigada Militar que faz jornada de 40 hs semanais, mais extra, que trabalha na RUA SOB RISCO DE VIDA, que paga 14% de previdência e 3,1 de Saúde, totalizando 17,1%. DEFINITIVAMENTE NÃO DA PARA COMPARAR

Fonte Jornal Correio Brigadiano edição 250

Tentativa de PMs de se igualar a militar atrasaria proposta para Previdência

O Estado de S. Paulo

Na avaliação de militares consultados pelo jornal O Estado de S. Paulo, a tentativa de os policiais militares quererem pegar carona no pacote das Forças Armadas pode estar atrapalhando o andamento das discussões porque as polícias, ao contrário das tropas federais, têm outras “regalias” que precisariam ser cortadas. Um exemplo, de acordo com fontes das Forças Armadas, é a carga horária dos PMs, que é diferente em cada Estado. Em alguns, se exige carga horária de 24 horas de trabalho seguida de um período de folga de até 72 horas, o que leva o policial a ter mais dias de folga do que de trabalho. Já nas Forças Armadas, não existe esse tipo de escala.

Como os Estados estão com problemas de caixa, para apoiar a aprovação da reforma da Previdência, os governadores exigem que as regras atinjam também servidores estaduais, incluindo PMs. As aposentadorias dos PMs geraram sozinhas um déficit de R$ 24 bilhões em 2017, um quarto do rombo total na Previdência dos Estados, que ficou em R$ 94 bilhões no período.

Nas contas das Forças Armadas, já levadas à equipe econômica, se eles tivessem que receber os mesmos benefícios de outras categorias do serviço público, como horas extras e auxílio-moradia, por exemplo, custaria valores exorbitantes, que chegariam a R$ 22,5 bilhões por ano.

Contribuição de militar temporário deve ir para o INSS

O governo já acertou que as contribuições dos militares temporários – que ficam no máximo oito anos nas Forças Armadas – terão de ajudar a reduzir o déficit do INSS na proposta de reforma da Previdência. Hoje, eles contribuem por esse prazo de até oito anos para a pensão do regime dos militares, mas acabam se aposentando pelo INSS. E o dinheiro pago ao fundo dos militares não vai para o INSS, nesses casos.

Os militares temporários são os recrutas que entram nas Forças Armadas mas que não seguem carreira militar. Representam cerca de 64% do efetivo das Forças Armadas. Esse grupo necessariamente, quando sai do regime militar, entra no INSS ou na Previdência dos servidores da União, Estados ou municípios.

No modelo atual, o tempo de contribuição é aproveitado para a aposentadoria, mas o regime dos militares não repassa o dinheiro que foi pago às Forças Armadas. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado, a reforma da Previdência vai obrigar essa compensação, levando receitas do regime dos militares para o INSS. Só em 2018, o rombo do INSS foi de R$ 195,2 bilhões, um recorde. Já o déficit dos militares chegou a R$ 43,9 bilhões. A operação deve dar algum alívio ao INSS, mas aumentará ainda mais o rombo do regime dos militares.

A decisão já foi negociada e faz parte da estratégia do governo de que os militares deem sua colaboração para a reforma da Previdência. A inclusão dos militares tem sido uma exigência das lideranças do Congresso para apoiarem a reforma.

A estratégia de convencimento da equipe econômica à necessidade de respeito às “peculiaridades” da carreira foi discutida em almoço de trabalho ontem com a presença do vice-presidente Hamilton Mourão, dos ministros da Defesa, general Fernando Azevedo, da Secretaria de Governo, general Santos Cruz, do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e com os comandante do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

Propostas

Os militares insistem nas mesmas propostas, apresentadas desde o início das discussões, que preveem a ampliação do tempo de serviço para homens e mulheres de 30 para 35 anos, e a cobrança de contribuição previdenciária sobre as pensões. Mas para aceitar essa “cota de sacrifício” à reforma, eles querem uma proposta de reestruturação da carreira, com aumento de salários.

Os militares asseguram que o presidente Jair Bolsonaro tem dito e repetido que o envio do projeto de lei com mudanças na Previdência dos militares só será encaminhado ao Congresso depois que a proposta para o INSS e os servidores civis for aprovada em primeiro turno. Para as mudanças dos militares, basta a aprovação de um projeto de lei, com maioria simples na Câmara e no Senado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.