Na manhã desta quinta-feira, a Força Tática do 1º BPM fez mais uma ação na vila Cruzeiro do Sul

A Brigada Militar terá mais um reforço extra para atuar no policiamento ostensivo em Porto Alegre, visando conter e coibir o conflito pontual entre três facções criminosas. Um novo contingente vindo do Interior entra em operação nesta sexta-feira na Capital. Ele deve somar-se à mobilização dos batalhões locais, que já contam com apoio das tropas de vários batalhões de polícia de choque em sistema de rodízio.

Uma das áreas conflagradas que está recebendo atenção do Comando de Policiamento da Capital (CPC) da BM é a vila Cruzeiro do Sul, no bairro Santa Tereza. Na manhã desta quinta-feira, a reportagem do Correio do Povo esteve na região e constatou a atuação dos policiais militares da Força Tática do 1º BPM.

Como os demais batalhões da cidade, o efetivo do 1º BPM tem realizado patrulhamento ostensivo intensificado, barreiras, abordagem de suspeitos e veículos, além de incursões em becos, tanto de dia como de noite. A ordem é estancar a escalada de atentados e que tem levado medo às comunidades, alterado a rotina dos moradores. O helicóptero do Batalhão de Aviação da BM tem sido acionado.

Já o Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil tem avançado na investigação dos homicídios e já efetuou prisões e apreensões de armas nas últimas semanas. A troca de informações e estratégias é uma constante com a Brigada Militar. 

No bairro Agronomia, na manhã de quarta-feira, por exemplo, a equipe da 1ª DPHPP apreendeu um fuzil calibre 556, uma pistola calibre 380, uma pistola calibre nove milímetros, seis carregadores, um kit roni que transforma uma pistola em uma submetralhadora e três seletores de rajada, além de 468 munições de calibres variados, em um casa. Um suspeito, ligado à facção da vila Cruzeiro do Sul, foi preso.

Até o Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) tem contribuído. Na tarde de quarta-feira, os agentes recolheram seis placas balísticas modelo “strike face” e uma capa de colete à prova de balas em uma residência também na vila Cruzeiro do Sul, bem como um revólver calibre 38 com dez munições e R$ 200,00 em dinheiro.

Segundo um levantamento obtido pelo Correio do Povo, após a primeira morte ocorrida em fevereiro, outros 16 homicídios foram registrados em março e mais seis nestes primeiros seis dias de abril. Todas as ocorrências teriam relação direta entre a guerra travada entre as facções, somando 23 mortos até o momento.

Fonte: Correio do Povo